sexta-feira, 27 de julho de 2012

Escura Liberdade


A escuridão me encanta
A luz tem mais valor
Também tem o amor
Casais apaixonados
Gays lésbicas héteros
Grupos adolescentes que só querem curtir
Um pau e uma boceta que se beijam
Lascívia
Querem transar, na verdade,
Um grupo adolescente atrapalha
Casais apaixonados
Tristes
Coitados
Duas moças do lado de lá
Cabeça tristonha em um colo afetuoso amante juvenil gostoso
Cabeça tristonha chorosa lúgubre tristonha
Casais apaixonados
Desejosa transa mental
Um viado chora
Uma sapata também chora
Consolos inocentes apaixonados
Ao meu lado
Sinto pulsar em mim a batida venérea pulsante descontrolada de
        um be-bop louco orgásmico
Dentro de mim e ao meu lado
Ao meu lado
Há mais de uma hora, talvez duas
Duas lésbicas apaixonadas estão na mesma posição
Duas pernas enlaçadas na cintura
Duas pernas apoiadas ao chão
Ah!
E um casal novo na escuridão
Heterossexual
Casais. Todos os casais
Se beijam
Se amassam
Casais! Casais!
Gays lésbicas heterossexuais
Aproximem-se! A escuridão vos chama
Aplacai vossas chamas pois aqui não há puritanos nem crianças
Por aqui só há amor sincero, lágrimas sinceras, beijos sinceros,
        abraços sinceros e um poeta sincero que expele seus versos
        como em um orgasmo sincero
Venham!
Venham todos os casais
Vampiros sexuais
Aqui os cachorros não ladram
Aqui os cachorros não ladram, mas transpiram pela língua e caminham ofegantes
        em um suspiro sexual

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Dipolo Induzido

À minha frente tem gente
Esperando mais gente
O ar cada vez mais quente
O ar cada vez mais rubro
Sempre tem gente
Inspirando este ar venenoso
Monóxidos e dióxidos de carbono
Imperfeitamente queimados em minh'alma
Sant'alma incompleta
Monóximos, dióxidos, trióxidos
e et ceteróxidos
Intoxiquei a mim mesmo.

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Tango na Rio de Janeiro


Um homem toca tango numa esquina da Rio de Janeiro

Oh céus... seu violino nunca soou tão belo
Lhe dou moedas em agradecimento. Todos os dias lhe dou moedas
É preciso coragem para tocar tão belas melodias nas esquinas belo-horizontinas
Tinha de ser paulista
Vivas à coragem doutros estados
Nós mineiros somos medrosos e conservadores e tradicionalistas de mais para
....................ter coragem de tocar tangos em esquinas.
Precisamos um pouco da irreverência doutros estados
Venha ela em tangos
Em barrocos
Em violinos tocados em esquinas

Oh céus... teu violino nunca soou tão belo
E soará mais belo a cada dia
E eu ponho algumas moedas no estojo de teu violino
Vá... continue tocando Gardel e Bach em teu violino
Aproveita-te da minha embriaguez e embriaga-me mais ainda com tuas
....................belas melodias
Nestas esquinas
Nestas igrejas - a cada quarteirão belo-horizontino, uma igreja em estilo barroco tardio
....................e gótico
Nestas luzes posteanas
Ah estas luzes nunca estiveram tão belas
Mais a baixo está o vergalhão belo-horizontino
O Pirulito
Le sucette a la anis d'Annie
E cá em cima estou eu
Com meu vinho à bolsa pronto para ser bebido outra vez

Vai violinista paulistano
Embriaga-me com tuas notas melodiosas e harmônicas, caro moreno violinista
Embriaga-me com tuas melodias violinísticas enquanto eu me embriago em um campo
....................largo suave.
Vá... leva-me com tuas notas para campos infindos onde eu estarei junto à minha amiga
Em tuas notas eu cavalgarei em campos verdejantes
Junto à minha amada apenas em minhas imaginações
Não sei onde ela está agora
Onde estará?
Será que se lembra de minha vã existência?
Não.
Duvido muito.

Não importa.
Só importa agora é Gardel.
As notas e melodias de Gardel que se vem aos meus ouvidos
"Por uma cabeça todas as loucuras,  que importa perder mil vezes a vida"
Então se tenho hoje esta suavidade sonora
Transformando todas lembranças alegres em mais alegres ainda
Fluindo pelos meus ouvidos?

domingo, 1 de julho de 2012

Cerveja, Blues e Solidão

O que eu faço aqui longe de ti?
Eu poderia ter-te em meus braços agora?
No entanto estou aqui
Sozinho
Mirando a pizza congelada
Imaginando-te em outros braços.

Ouço o rádio tocar um blues
Não tenho ouvido blues ultimamente
E esta casa nunca foi tão grande

Esta noite eu vou de cerveja, blues e pizza congelada
Sinto o cheiro do teu cigarro em minhas narinas
Não é você.
É apenas tua lembrança
E arrependimento
Porque raios eu fiquei por aqui?
Porque raios eu não fui te ver?

Leitores dos Boêmios