quinta-feira, 29 de março de 2012

Religião Carnal


Pernas entrelaçadas
Laços de amor
Línguas se encontram
Liquidos se misturam

Movimentos orquestrados
Gemidos em música
O sangue virginal
Derrama-se na cama

Mordidas suaves
Carinhos selvagens
Deileitam-se na cama
No chão, na parede

Um quarto de motel
Um beco escuro
Verdadeiros altares
Duma estranha religião

quarta-feira, 21 de março de 2012

Nada Além de um Sonho

Lá do alto tudo parece pequeno, pequeno e fraco, somente o vento está mais forte. Rajadas constantes parecem querer lhe derrubar, mas ele permanece imóvel, somente seus olhos percorrem a paisagem. Ele sabe que tudo não passa de um sonho, mas há algo de errado, ele não sabe o que é, ele só pode sentir. Um grito ecoa no ar, trazendo medo e pavor, trazendo um pedido de ajuda. Seu coração se acelera, o vento enlouquece, alguém o empurra, mas não há ninguém além dele, seu corpo é jogado ao vazio. Ele cai pelo infinito, um nome é sussurrado no escuro, um nome que ele jamais escutou.  Imagens surgem no nada, imagens confusas como seu sonho, é a vida passando diante de seus olhos, porém não era sua vida. Ele pode ouvir o vento, porém ele não mais o sente a bagunçar seu cabelo, só o que ele sente é medo, um medo intenso, um medo que não tem explicação. Ele ouve passos, vindo de todos os lados, indo para lugar nenhum. As imagens se tornam mais claras, ele pode ver uma moça paralisada de medo diante de alguém que ele não consegue enxergar. Ele não sabe quem ela é, mas ele quer ajudá-la, mesmo sem saber como. Dela ele tenta se aproximar, o medo se torna mais forte, quase insuportável, de repente um grito. Ele acorda de um sonho estranho do qual ele não mais é capaz de se recordar.

quinta-feira, 15 de março de 2012

Poema de Rato nº 3


Jogo tarô sentado no chão
Da estação do velho metrô
Prantos caídos nos versos
De um universo distorcido

Andando no botequim
Olho para mim vomitando
Calado e gemendo
Fadado ao fracasso

sexta-feira, 9 de março de 2012

Influências - Joy Division

Durante muito tempo Joy Division não passava de uma banda que os meus irmãos ouviam. Porém com o passar dos anos eu percebi que dentre todas as bandas que eu vim a conhecer poucas representam tão bem certas partes da minha vida quanto o Joy Division.

Assim como muitas pessoas eu tenho meus momentos de tristeza, apatia, momentos em que o mundo e minha vida não pareciam fazer sentido. Muitas vezes eu apenas ficava deitado na cama sem vontade de levantar, desejando, as vezes, poder dormir e não mais acordar. Outras vezes eu ia fazer algo pra sair do marasmo, nem que fosse dar umas voltas pela casa. Porém algumas vezes o melhor a fazer era aproveitar o momento, por mais estranho que isso possa parecer, e nada melhor, para mim, do que curtir a tristeza ouvindo Joy Division.

Nesses breves momentos eu me identificava principalmente com o som desse grupo inglês,o que pode ser percebido em alguns de meus textos que possuem um tom mais sombrio, assim como as letras de algumas de suas canções.

É difícil falar qual música deles me marcou mais, não há uma que se sobressaia, por isso é difícil postar apenas uma, portanto irei postar 3 das minhas músicas favoritas.







quinta-feira, 1 de março de 2012

Poema de Rato nº 2


Sujo rato pobre
Cruzo em pequenos pulos
Todos os cantos escuros
Becos sujos
Sarjetas às margens
De bocas de lobo
Bocas de fumo

Rato pobre sujo
Cato misérias no chão
Bitucas de cigarro
E uma longneck
Desesperançosa
Largada nessas sujas
Calçadas

Leitores dos Boêmios