quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Do Sonho ao Acordar


Tudo foi como uma grande mentira mal contada
E todos os atos se tornaram meros desejos
Desejos escondidos profundamente na decadência
De minh'alma.

Tudo foi como uma grande mentira mal contada
E todas as verdades do mundo se tornaram apenas
Simples brinquedinhos entregues a mulheres ofegantes
Brinquedinhos para diversão ambígua.

Sim ela foi a fatal... A única fatal.
Tornou todos os grandes budas do mundo
Em meros seres mortais mais baixos que o mais baixo
De todos os demônios.

E sua boca foi uma lâmina que brilha ao Sol
Pronta para cortar a lingua de quem a contradizer
Pois todas suas palavras são suas verdades
O resto: Mentiras Mal Contadas.

Oh! O que aconteceu com essa alma? Desfaleceu-se?
Sim! Desfaleceu-se num buraco profundo
Vindo a acordar sobre pulmões que pouco respiravam.
O suor já secara.

O suor da pele negra já não existia mais
Perdeu-se no calor do dia e na estagnação
Perdeu-se na pausa do movimento.
Evaporou...

... deixando apenas sal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leitores dos Boêmios