quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Invasão


Ela invade minha realidade
E eu, os seus sonhos
Abato loucamente
Minha sede sem tamanho


Ela invade meus sonhos
E eu, sua realidade
Sua mata virgem em minhas mãos
Jogo fora sua castidade


À noite ela queria
Só ficar sozinha
Mas eis-me aqui: a tentação
Minha mão sob sua calcinha


Como um vampiro
Mordo o seu pescoço
Ela é meu lanche
Meu jantar, meu almoço


Eu invado seus sonhos
E ela, minha realidade
Assim com todo carinho
Arranco fora sua castidade

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leitores dos Boêmios