sexta-feira, 8 de julho de 2011

Mari-Lou

Há bares roncando um samba numa rua dominical
E janelas vomitam luzes azuis ou amarelas
São televisores ligados numa novela sem sal
Há uma moça numa das casas dessas janelas

Com sua voz suave e risinho quase infantil
Fala ao telefone com seu namorado ausente
Sonhando, na verdade, com um cara mais viril
Vendo novela global só para ocupar a mente

Suas pernas estão desnudas para ninguém
Marca encontros que jamais se lembrará
Faz promessas de fazer algo a Deus sabe quem
Enquanto brinca com os cabelos pra lá & pra cá

Os dedos nos cabelos castanhos vão brincar noutro lugar
Pousam no umbigo e vão andando caminho acima
Está com metade do corpo pra fora do sofá
Somente seus dedos entendem su'alma feminina

Dos seios sua mão toma uma outra direção
Escorregando barriga abaixo até parar na calcinha
Diz a voz ao telefone: "Vamos assistir Rio, coração?"
"Que saco esse cara achando que ainda sou menininha"

"Ah depois a gente olha isso, 'tou com sono, vou desligar"
"Boa noite meu bem e sonhe com os anjos"
Sim, boa ideia! Com anjos fortes ela vai sonhar
Acariciando sua perseguida durante o banho

Durante o banho uma ova! Vai ser ali mesmo no sofá
Abaixa sua calcinha junto com o short de pijama
E ali passeando no seu bosque a brincar
Imaginando um anjo negro aplacando suas chamas

Fortalece seu desejo sonhando com um outro homem
Talvez um vizinho, quem sabe um alguém fardado?
Toda e qualquer pessoa que nos sonhos a ame
Seja o cabeleireiro, a manicure ou mesmo aquele viado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leitores dos Boêmios