quarta-feira, 25 de agosto de 2010

A Chuva

A escuridão começa a se espalhar pelo meu quarto, ocupando cada canto do meu coração, quase não consigo respirar. Abro a janela e vejo as nuvens cobrindo o sol enquanto um vento frio começa a soprar, será o mundo está tão triste quanto eu? Raios, relâmpagos e trovões, o vento fica mais forte, só eu não consigo sentir. A escuridão toma conta do céu, o vento lamenta enquanto os pássaros procuram por proteção. As luzes se apagam, só restou a escuridão, mas tudo o que sinto é uma enorme vontade de chorar. Lágrimas começam a cair do céu, a chuva, enfim, começou a cair. Ela fica mais forte, parece até que o céu chora por mim. Sinto a chuva molhar o meu corpo, lavando minha alma e curando meu coração. Raios fazem, por poucos instantes, a noite virar dia enquanto a chuva leva embora minha tristeza. No fim, com lágrimas até em meu coração, eu vou dormir, mas com a certeza de que jamais serei o mesmo.

Um comentário:

Leitores dos Boêmios