quarta-feira, 14 de julho de 2010

Diário de um Desconhecido V

É estranho. Eu sinto que ainda não tarde nem é cedo, mas ao observar o horizonte não é isso que eu percebo, me parece que ainda estou e entre o dia e a noite. Saio para ver o que há e encontro o dia e a noite discutindo. Sei que não é muito educado fazer isso, mas eu tenho que ajudá-los antes que o tempo chegue reclamando do atraso deles. Eu pergunto aos dois qual é o problema e eles dizem que estavam discutindo para ver quais dos dois é o mais belo, ou bela, e começam a descrever suas belezas. O dia diz que nada é mais belo que um dia ensolarado, com um lindo céu azul e algumas nuvens para enfeitar, ao que a noite revida dizendo que uma clara noite de lua cheia, com um céu sem nuvens mas com muitas estrelas é bem mais bela. O dia, então, pergunta se a noite já chegou a ver como apenas ele deixa um campo florido mais bonito. A noite responde que não e pergunta se o dia já havia visto a beleza que existe ao olhar por sobre um mar de nuvens com a lua cheia ao fundo. Só que antes de o dia responder, tentando acabar com a discussão, eu os lembro de dois exemplos da beleza deles: o nascer do sol e o pôr do sol, dois momentos de extrema beleza. Isso parece acalmá-los pois eles terminam a discussão enquanto eu volto para o mundo dos sonhos em companhia do sono, que tanta graça viu na discussão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leitores dos Boêmios