quarta-feira, 5 de maio de 2010

Diário de um desconhecido I

Olho para o céu e vejo que o tempo parece normal, pelo menos o meu relógio está marcando as horas, os minutos e os segundos como sempre. A lua brilha de um jeito e com uma força que eu jamais havia visto, por causa disso o dia está mais claro que o de costume. Olho para os lados procurando alguém que pudesse me explicar o que estava acontecendo, mas eu só encontro o silêncio dizendo-me que eu estava vendo coisas. Resolvo então continuar minha jornada, a qual eu ainda não havia encontrado, e acabo me encontrando com a solidão, que me faz companhia durante um tempo. Ela me explica que estávamos no deserto negro e que, por isso, a lua brilhava tanto. Antes de me deixar nos deparamos com o vazio e, então, ela começa a seguir um outro rumo, mas não sem antes me dizer que eu deveria continuar minha caminhada, pois eu já havia achado a minha jornada. Após isso eu volto a sentir a presença do sono, que, na verdade, não havia me deixado só em momento algum naquele dia, então eu apenas me entrego ao vazio e volto ao mundo dos sonhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leitores dos Boêmios