quarta-feira, 7 de abril de 2010

O Pôr-do-sol

Foto retirada da internet
No pôr-do-sol eu vejo sangue
Sangue que escorre por todo o céu
Inundando-o até o infinito,
Sufocando-o e matando-o por completo.
O pôr-do-sol anuncia as trevas, a escuridão,
Anuncia a morte, anuncia o mal, a destruição,
Anuncia o início, o início do fim.
Mas eu também vejo esperança,
Vejo a vida brotando no coração dos homens,
Vejo-a brotando em cada novo ser que chega a Terra.
No pôr-do-sol eu vejo tudo e não vejo nada,
Vejo o horizonte, vejo o sol partindo,
Partindo para, talvez, nunca mais voltar.
Eu vejo você partindo, se despedindo,
Partindo, pois a noite não tarda a chegar,
E com ela vem a lua e as estrelas
E vem também a saudade e a lembrança.
A lembrança de você e de mim,
De nós dois juntos observando,
Vendo no horizonte o mais belo dos belos,
Porém não o último,
O Pôr-do-sol!!!

2 comentários:

  1. JouChark

    Amei sua foto do pôr do sol.Eu já fiz e tenho várias fotos de pôr do sol, mas nenhuma com esse reflexo lilás. E o poema tb é muito bonito.
    Manduca

    ResponderExcluir
  2. Absurdamente belo esse poema!!!

    Parabéns...

    ResponderExcluir

Leitores dos Boêmios